Foto: Wellington Hanna/G1

Do G1 / BRASILIA

Crime aconteceu no Riacho Fundo II e teria sido motivado por dívida de R$ 3 mil e ciúmes.Vítima foi espancada até a morte.

A Polícia Civil do DF prendeu nesta quarta-feira (21) dois homens suspeitos de matar e atear fogo no corpo do comerciante Alexandre Medina, de 42 anos. O crime foi no Riacho Fundo II, no DF, mas o corpo de Medina foi encontrado em Alexânia (GO), a 80 km de Brasília.

O motivo do crime seria uma dívida de R$ 3 mil, referentes à venda de uma moto, e ciúmes. De acordo com os policiais, a vítima foi espancada com marretadas até a morte, depois o corpo foi levado para o Entorno e queimado. “A vítima flertava com a esposa de um dos suspeitos”, disse o delegado responsável pelas investigações, Amarildo Fernandes.

Medina desapareceu no dia 4 de dezembro. No dia 5, policiais de Goiás encontraram o corpo que foi levado para o IML de Anápolis (GO), onde foi reconhecido. Segundo o delegado, os suspeitos são dois traficantes do Riacho Fundo. Eduardo Nobre de Melo, conhecido como “Firma”, teria sido o responsável por matar o comerciante, Josival Calisto de Brito, conhecido como “Landuá”, teria ajudado a esconder o corpo. A polícia chegou até eles por denúncias anônimas.

De acordo com o delegado, o assassinato aconteceu na casa de Brito e o corpo da vítima foi conduzido no carro de Melo até Alexania, onde foi queimado. Para não deixar pistas, a dupla trocou o piso da casa onde o crime aconteceu e o forro do carro. A polícia conseguiu achar traços do sangue de Medina nos pertences dos suspeitos.

Brito responderá por ocultação de cadáver e pode pegar até cinco anos de prisão. Já Melo, que tem passagens pela polícia por furto qualificado, deve responder por homicídio e ocultação de cadáver e pode ficar até 30 anos preso, segundo o delegado.

Filiação